domingo, 9 de maio de 2010

Coragem, cada um tem a sua.

Eu ainda parei e pensei nos riscos, achei que aquentava o tranco, mas resolvi espiar o perigo primeiro. No mesmo segundo eu amarelei e tomei a decisão mais sensata para a ocasião que seria pegar um táxi, mas como eu estava sem celular teria que contar com a sorte de achar algum parado por perto o que não ocorreu, então, eu respirei fundo e pensei "beleza, se eu for assaltada vou chorar como uma pessoa normal e depois volto pra casa" e em seguida atravessei a cracolândia as 5 e pouco da manhã de um sábado com ninguém além da coragem e a minha cara de playboy.

Eu sei que foi uma decisão completamente absurda e eu adoraria ter pelo menos uma garrafa de vodka para culpar, mas, agora, pensando no assunto eu vejo o quanto esse tipo de decisão é bizarra. Creio que muitas pessoas que consomem os mesmos entorpecentes que aqueles jovens que eu vi ali alucinados e rodando de um lado para o outro não cruzariam aquelas ruas sozinhos sem conhecer ninguém de confiança como eu fiz, da mesma forma que eu não tenho nem curiosidade quem dirá coragem de dirigir bêbada, fumada e/ou cheirada como muitos fazem. É difícil entender o sentimento de imortalidade que nós jovens temos. Agente se sente meio invencíveis demais e eu reconheço que existe uma certa sensualidade em correr riscos, é intrigante e deixa uma puta gosto de quero e posso fazer mais só que infelizmente "merdas acontecem" e é melhor se manter sempre ciente das consequencias pra depois não falar que foi Jesus que não cuidou.

Foto: Meagan VanBurkleo

Ouvindo: Matisyahu - So Hi so Lo

14 comentários:

- maria elis disse...

justamente, não é à toa que Jesus manda a gente vigiar ;)'

beijas :*

Por que você faz poema? disse...

A coragem não necessariamente precisa andar ao lado da culpa.
Coragem é para poucos,
é para fortes. Sua prosa urbana me impregna de silêncio e vodka.

. fina flor . disse...

querida, eu tenho medo de atravessar a cracolandia de dia, que dirá a noite, aff

cuide-se!

nos achamos imortais, mas não somos, kkkk

beijocas

MM.

>>> ficou lindo o blog

Max Psycho disse...

é claro que a drenalina de tal fato deixa a gente com uma sensação maravilhosa quando tudo termina, mas por mais que fossem viciados, eles poderiam não só te assaltar, como numa pior das hipoteses cometer aytos obscenos, nunca é bom arriscar situações como esta gata

Fláh disse...

nossa, eu chamo isso de loucura.

realmente, sempre achamos que temos a imortalidade, até algo nos mostrar que sangramos como todo mero mortal.

Deni Maciel disse...

ééé...
coragem com o c* na mão
kkkkkkkk

jah passei por isso

mas queria ver sua cara d playboy *-*

e jesus olha pelas criançinhas
idosos
bebados e enfermos.

e os jovens minha mãe nunca citou =/

abraço e feliz dia da ameixa que parece uva passa mas tem gosto de damasco . . . e ainda colocam isso como recheio d bolo de aniversario =/

Letízia P. disse...

Cada um tem um pouco de coragem dentro de si. E nós jovens pensamos mesmo que somos imortais... Isso pode ser bom, ou ruim.
Beijos

Juliana Dacoregio disse...

Sempre achamos que podemos, que as coisas ruins acontecem com os outros... Sempre assim! Mas quando resolvemos ser prudentes, nos sentimos culpados por não ser OS destemidos!

Iris Oliveira disse...

Oi querida! Obrigada pela visita e desculpe a demora em retribuir... probleminhas técnicos, mas estou aq pra parabenizar seu blog e dizer q fique à vontande para me visitar mais vezes!! Bjos!

Doce Nostalgia disse...

Coragem é algo tão maravilhoso, que é para poucos, mesmo cada um tendo um pouquinho dentro de si.

Beijos minha flor.
Otimo Domingo!

Dani disse...

Eu adorei, adorei, adorei seu texto, andréia!
Achei muito bom toda analogia que você fez... FERA DEMAIS!
E ainda, faz a gente pensar. Afinal concordo com você, o perigo tem uma certa sensualidade!

Beijos

Fernando Segredo disse...

Fácil é colocar a culpa nos outros.
Belo texto

Lusinha disse...

Eu já me arrisquei nessa vida, mas acho que não teria coragem de passar a essa hora na Cracolândia.
Bjitos!

Kennedy Lucas disse...

Coragem. Eu não tenho a sua.