quarta-feira, 9 de junho de 2010

VIVA: Cada respiração conta

Eva Markvoort é um blogueira canadense que nasceu com Fibrose Cística, isso significa que sem um transplante de pulmão ela precisa se revezar entre o hospital e uma vida cheia de limitações fora dele. Ela criou o blog 65redroses em 2006 e sua intenção era desabafar e compartilhar coisas que as pessoas ao redor dela não compreendia e para isso ela se comprometeu a ser sincera até o osso, algo que não foi fácil de cumprir, mas ela conseguiu. Não teve medo de expor a sua visão sobre a vida, de postar fotos chorando, sangrando, feia, magra, descabelada, cheia de tubos, cicatrizes, com uma mascara de oxigênio e vídeos tossindo até vomitar.

Suas palavras era do ponto de vista de alguém que vê tudo pelos cantos e experimenta tudo pelas beiradas, alguém que vive na vontade e tem tempo para analisar o que uma pessoa perfeitamente saudável não tem. Mas ao invés de se lamentar e se entregar a situação ela se comportou como uma verdadeira guerreira, não se conformou com a doença, se concentrou no que podia fazer e lutou para fazer a diferença no mundo e garantir que no futuro ninguém mais sofresse com essa doença. Aceitou ser protagonista de um documentário sobre a espera pelo transplante mesmo sabendo que corria o risco do documentário terminar com um funeral.


Enquanto uns invejam casas e carros, Eva só queria um fôlego, para viajar, trabalhar e aproveitar a vida com a família e amigos. Ela conseguiu, aos 23 anos durante a gravação do documentário 65_RedRoses descolou dois pulmões novos e ganhou o fôlego que precisava para viver a vida como uma jovem de 20 poucos anos, no seu primeiro post após a cirurgia ela fez uma promessa: "eu não vou desperdiçar nenhum fôlego"


Essa era hora da guerreira com cara de modelo sair causando pelo mundo e ela não parou nenhum dia. Além e festejar, curtir os amigos e viajar, Eva continuou na batalha pela divulgação da doença e incentivando as pessoas a se cadastrarem como doadores de órgãos e a financiarem estudos para encontrar uma cura para a doença .




Após viver intensamente por 2 anos o seu corpo rejeitou os pulmões transplantados e Eva se viu no hospital novamente cheia de tubos e perdendo a cada semana 1% da capacidade total dos seus pulmões. Chegando a respirar somente com 13% até que um dia ela se foi.

Por mais triste que seja Eva abalou enquanto esteve viva, ela gravou um documentário, divulgou a doença e triplicou o numero de doadores de órgãos no Canadá, ela realizou os seus sonhos se concentrou naquilo que ela podia fazer e lutou para partir e deixar um legado para trás. Ela amou e foi amada até o ultimo segundo da sua vida pelos amigos, família e leitores do blog que mandavam cartões e desenhos para enfeitar "a parede do amor" (Wall of Love) na sua casa e no hospital.

Eu acho que valorizar a vida é um dos maiores desafios que nós temos. Será que é possível apreciar a cada segundo, se concentrar no que está ao nosso alcance e acreditar que você sempre vai poder ir além sem nunca ter que ficar de molho numa cama de hospital torcendo para sobreviver mais um dia? Se somos tão inteligentes porque temos que sangrar e chorar para reconhecer que é possível ser útil no mundo e compartilhar um pouco de amor e gentileza ao invés de espinhos e veneno?

*

eu li todos os post da Eva e salvei alguns trechos para compartilhar com vocês. apesar de ter descoberto um universo paralelo de blogueiros com doenças crônicas não me vejo acompanhando nenhum outro porque fui dormir chorando por 30 dias com as palavras da Eva isso foi deprimente demais pra mim.

"A maioria dos jovens da minha idade não valorizam a vida. Eles pensam que o mundo os deve felicidade e não assumem a responsabilidade pelo próprio senso de propósito da vida. Eles reclamam que estudar é difícil, que não sabem o que querem do futuro e que o trabalho é uma droga. As vezes eu quero sacudi-los e gritar "Você pode fazer O QUE QUISER!". Eles tem uma família maravilhosa, são sortudos o suficiente para bancar a faculdade e nada para impedi-los. Se você está entre os 20 e poucos anos há tantas opções. Você não tem responsabilidades, você pode viajar e trabalhar, você pode trabalhar com o que gosta. Eu não estou reclamando...ou pele menos estou tentando não reclamar. Eu vejo portas de oportunidades se fechando para mim e eu tenho cada vez menas opções sobre o que fazer a cada dia. Mas eu ainda escolho escolher. Eu escolhei focar na minha saúde. Me tornar uma jogadora na vida além do que só um subproduto do que aconteceu comigo ..."

"Eu ainda preciso ser criativa. Eu ainda preciso sentir que estou contribuindo para o mundo"

"Não importa a dor, o vazio, o medo...eu ainda TENHO que fazer ALGO!

Eu posso fazer isso. eu posso me sentir melhor por ser capaz de fazer algo. eu tenho que tomar um "fôlego" (hahaha...ligado no oxigênio) nos intervalos de algumas fotos mas EU POSSO FAZER ISSO. Tenho que focar no que eu POSSO fazer e não no que eu NÃO POSSO.

Eu ainda sou eu. eu posso criar e pintar e pensar e ajudar. "

"o sol está vertendo luz pela minha janela. eu abri um poquinho e eu posso sentir o cheiro do vento frio. Isso me lembra que estou viva. As folhas estão lindas esse ano. vermelho brilhante, amarelo e laranja. Eu estou viva"

"Eu me entrego a esses sentimentos de medo, que agarram o meu coração como gravinhas que me expremem dentro da escuridão.
Meu coração bate mais rápido, como de um pássaro caçado dentro de uma gaiola tentando encontrar uma saída, frenético para voar. Inspirando e inspirando mas nunca expirando, me sufocando com um ar seco

eu penso sobre o meu legado.

sobre fazer a diferença, deixar esse mundo melhor ou ter feito parte dele.

eu não vou ter filhos. isso deprime o meu coração mais do que qualquer pessoa possa imaginar. Um filho é uma forma de legado. É uma parte de você que vive além da sua pele. Filhos são um dom de imortalidade. O amor entre uma mãe e um filho é o laço mais forte e eu raramente adimito que ânseio por isso.

O que vai fazer de mim imortal?
deixei minhas impressões digitais no coração de quem?
Eu mudei esse lugar?
Eu fiz o suficiente?

"Só se lembrem que todos os dias eu acordo surpresa e agradecida por ainda estar viva"

"Eu tive três chamados forte - um pior do que o outro.

o mais rescente- eu tive uma reação alergica á um remédio para dilatação dos brônquios...dois minutos respirando esse medicamento e eu senti que não podia mais respirar. Passei rapidamente de não consigo respirar para não consigo mais respirar. Minhas vias aéreas inferiores tinham inchado e o ar não coseguia passar. A enfermeira chefe se apressou e tentou me manter conciente já que eu estava quase desmaiando com a falta de oxigênio. Assim que uma médica mais qualificada chegou no quarto ela avaliou a situação e me deu um medicamente (mesmo assim eu reagi extremamente mal a situação). Ela pensou que era tarde demais já que eu quase não respirava e não respondia.

Minha familia não parou. Eles fizeram exatamente o que pedi para fazerem.

Eu pedi a eles que se isso [a morte] fosse acontecer que eu ainda não estava pronta. O dia provavelmente vai chegar mas não é agora. Eu quero que eles me ajudem a lutar! minha mãe gritou o tempo todo e o meu irmão sentou perto de mim e ficou segurando a minha mão e falando alto no meu ouvido, "não desista Eva! continue olhando para mim! vamos lá, você consegue...ainda não é a sua hora!... respire mais uma vez! vamos lá Eva! eu te amo". Daquela hora em diante os médicos manteram o equilibro para me manter desestresada (toda vez que eu recuperava a minha conciência a falta de oxigênio causava uma grante quantidade de ansiedade e eu não conseguia para de lutar fisicamente...o que não é nenhum pouco útil a essa altura do jogo!) e respirando. Eles tiveram que administrar medicamentos para me manter sedada. Eu posso escrever sobre isso agora que já passou e já estou respirando um pouquinho melhor mas até o dia seguinte do ocorrido eu tive problemas para falar a respeito quem dirá escrever e compartilhar com o mundo. Minha médica me disse que em 23 anos de experiência ela nunca viu alguém se recuperar de um estado como aquele. "

"Eu estou naquele ponto em que estou farta de poesias.
Pedindo por ajuda
minha irmã está ajudando a escrever, aliás, me ajudando a escrever

os medicamentos estão se acumulando
eles estão fazendo o seu trabalho
eu estou supersaturada com remedios
na verdade eu estou sem ação médica por dois dias
os medicos começaram a retirar alguns medicamentos para ver se eu iria aquentar

eu não estou aquentando
não aquentando mesmo

eu estou me afogando em medicamentos

eu não consigo respirar

algo precisa mudar



[2 dias depois...]



"Nossa linda garota morreu nessa manhã as 9:30. Ela está em paz. Explicaremos melhor mais tarde."





20 comentários:

Tati Rodrigues disse...

'Eu não vou desperdiçar nenhum folego'... e qtos eu já não desperdicei?
posso respirar fundo e ainda assim desistir da vida antes de expirar... duro né? ridiculo até... nossa, tomei várias no pancreas... rs.

Kennedy Lucas disse...

Sem palavras.
Obrigado por postar isso.

Por que você faz poema? disse...

Ainda respiro este filme.

Max Psycho disse...

Olha um post supér instrutivo para n´so que nos achamos perfeitos e mesmo assi8m passamos muito do nosso tempo reclamando de pequenas e mesquinhas adversidades que sofremos, parabéns Andréia

Inside Me disse...

nossaaa, que lição de vida, essa menina lutou como poucos heróis conseguem, ela fiará imortalizada no coração dos q tiveram a honra de a conhecerem... parabéns pelo post, amei

Larissa V. disse...

Que post maravilhoso! Realmente... Posso dizer com certeza que foi um dos melhores que já li. A Eva se foi, mas deixou a marca dela, curtiu quando teve que curtir, lutou, foi forte... Ela realmente é um exemplo. E deu impulso numa causa muito importante que é a doação de órgãos.
Depois de ler os relatos dela a gente fica até com vergonha de reclamar por qualquer coisa fútil da vida, ou por pequenos problemas.
Muito lindo mesmo, parabéns por expor o legado dela para o mundo.
:*

Deni Maciel disse...

que vida eim..
mas tenho certeza q ela esta aproveitando da melhor maneira das possíveis...

abraço
ótimo fds.
e a copa começou.
e é tão legal ver a copa na Tv de 57"
*-*
pena que tive que vir embora do supermercado e me conformar com minha tv de 14" sem controle remoto e sem antena =/
mas enfim.
que ngm se esqueça do sarney e companhia durante a copa.

Francisca Nery disse...

Que coisa mais linda! É literalmente para pensarmos melhor nas nossas atitudes. Sem mais palavras... Obrigada pelo texto!

Jéssica Trabuco disse...

Caramba o.O'
Que coisa forte...!

Babi Lorentz disse...

uau. isso nos faz ver a vida de outra maneira. de uma maneira diferente da que estamos acostumados... nunca imaginei que fosse ler sobre algo assim, e, caramba! sem mais palavras

Doce Nostalgia disse...

Nossa que forte isso *o*
Adoreeei!

Kah disse...

Eu admiro MUITO essas pessoas que tem essa coragem. Fazer o que ela fez não é fácil. Ótimo post! Faz a gente se tocar que a vida é boa e a gente reclama sem razão, né?
Beijos!

. fina flor . disse...

pois é, a gente reclama demais de barriga cheia.

bacana a história da guria, não conhecia e bem legal os textos dela ;-)

beijocas

MM.

Princesa Moderna! disse...

nossa... que história. adorei beijos

Josiel Dias disse...

Olá meus amigos, graça e paz.

Estou passando para informar, que gostei demais deste espaço, pois é mais uma oportunidade de aprendizado. Como sempre falo: Aprendendo uns com os outros crescemos .
Gostaria também de divulgar o nosso Blog,
Ficaremos felizes em vossa visita, mais ainda se seguir-nos.

“ Mensagem Edificante para Alma”
http://josiel-dias.blogspot.com/

Josiel Dias
Conselho Missionário
Congregacional
Rio de Janeiro

carol ricarte disse...

Noossa, eu qse chorei!
Como eu preciso aproveitar a minha vida,criar e realeizar meus sonhos..
lindo..lindo

Fred Matos disse...

Post fantástico, Andréia. Este sim arrasou.
Beijos

ஜline ஜ disse...

não vou desperdiçar o folego da vida que Deus me deu,em nenhum segundo, e vou clamar todos os dias pelo nome Dele . Deus , eu te amo , muito obrigado por tudo !

Juliana Dacoregio disse...

Caramba!!! Nas fotos tão cheia de vida, mas sem fôlego para vivê-la por muito tempo.
Chocante.

Anônimo disse...

pós impressionante. Realmente gostei de ler seus posts.